Vanusa Cardoso – FCS: Juntar sinergias para o desenvolvimento de Cabo Verde
04 Abr 2015

Vanusa Cardoso – FCS: Juntar sinergias para o desenvolvimento de Cabo Verde

Aos 34 anos de idade, Vanusa Cardoso tem já um sólido percurso na vida política do país. Deputada do PAICV eleita pelo círculo de Santiago Norte e atual líder da Juventude do Partido Africano da Independência de Cabo Verde (JPAI), sempre encarou a política como o veículo perfeito para o ativismo social. O combate efetivo à pobreza, a redução das desigualdades sociais e o desenvolvimento do país, encabeçam a lista de prioridades da atual presidente da Fundação Cabo-verdiana de Solidariedade.

 

Natural da Assomada, na Ilha de Santiago, Vanusa Cardoso sempre se identificou com os valores e princípios ideológicos do partido pelo qual foi eleita, em 2010, deputada à Assembleia Nacional. A sensibilidade que, desde cedo, revelou para as problemáticas sociais, encontrou na vida política um veículo capaz de alimentar a sua contribuição para a causa pública, especialmente no que às questões sociais diz respeito. Licenciada em Comunicação Social, Vanusa Tatiana Fernandes Cardoso sente-se motivada para, na sua missão à frente dos destinos da Fundação Cabo-verdiana de Solidariedade (FCS), “servir o povo de Cabo Verde e trabalhar para driblar os problemas sociais que preocupam toda a sociedade cabo-verdiana”.

Apesar de ser uma instituição de direito privado de utilidade pública, a FCS foi criada pelo Estado de Cabo Verde na sequência da extinção do antigo ICS – Instituto Cabo-verdiano de Solidariedade. Tem como principais objetivos o desenvolvimento de atividades de solidariedade ligadas à proteção infantil, a assistência e apoio à terceira idade, a promoção de habitação condigna para famílias social e economicamente vulneráveis e o combate à pobreza. Conforme diz a presidente da FCS, “a solidariedade é uma área bastante vasta que, além de atender todo o tipo de situações em famílias com poucos ou nenhuns recursos, abrange igualmente projetos estruturados de caráter permanente e de âmbito nacional no domínio da habitação condigna, da proteção infantil e também no apoio nutricional.” Estas três grandes áreas de intervenção da FCS são maioritariamente financiadas pelo Governo de Cabo Verde através do gabinete do primeiro-ministro e resultam da descentralização de algumas das funções do Estado. “São projetos que estão enquadrados nos documentos estratégicos de redução da pobreza e no desenvolvimento de Cabo Verde, acabando a Fundação por ser um instrumento do Governo na execução dessa estratégia”, diz Vanusa Cardoso.

Vanusa_Cardoso_06

A FCS tem abrangência nacional e está presente em seis ilhas do arquipélago, nomeadamente, Santiago, Fogo, Santo Antão, São Nicolau, Sal e São Vicente. Tem ainda fomentado algumas iniciativas na diáspora, concretamente em São Tomé e em Moçambique, onde através do programa Operação Esperança, tem permitido a reabilitação de casas a cabo-verdianos que vivem em situações de carência graves. Segundo a presidente da FCS, “estas foram experiências muito positivas que, certamente, irão ser repetidas em outras comunidades cabo-verdianas fora do país. Temos um projeto concreto para a comunidade na Guiné-Bissau que só ainda não se iniciou devido à conturbada situação política que a Guiné atravessa, mas assim que houver oportunidade, a nossa comunidade em Bissau também receberá o apoio da FCS”.

Além do programa Operação Esperança, a FCS está igualmente empenhada no desenvolvimento de projetos ligados à proteção infantil. Além dos onze parques infantis distribuídos pelas seis ilhas onde opera, a FCS mantém e promove os programas criados em 1976 para apoio a órfãos e a crianças mais vulneráveis, particularmente àquelas infetadas ou afetadas pelo HIV-SIDA. “Ao nível do apoio escolar para crianças vulneráveis, trabalhamos com o financiamento do Fundo Global para o HIV. Atualmente, trabalhamos com 17 dos 22 concelhos de Cabo Verde. Temos também um programa para mães seropositivas que, devido à doença, não conseguem trabalhar ou não têm emprego. Este programa contempla ainda a subsidiação de leite artificial para aquelas mães que, condicionadas pela doença, não podem amamentar”, descreve Vanusa Cardoso. Também ao nível do apoio a crianças vulneráveis, a FCS possui ainda dois Centros de Acolhimento para crianças em idade escolar, frequentados no período contrário às aulas.

Vanusa_Cardoso_04

Ao nível de intervenção comunitária, e em parceria com a Aldeias SOS Cabo Verde, a FCS mantém um Centro de Intervenção Comunitário no bairro do Brasil, cujo foco de ação se centra na prevenção e combate à mendicidade infantil. Além deste eixo de atuação, o Centro desenvolve ainda programas ao nível da assistência médica, medicamentosa e ações de formação alargadas às famílias. Tal como explica Vanusa Cardoso, “Após a realização de um diagnóstico à situação da criança e da sua família, podemos optar por intervencionar áreas específicas de atuação, desde o apoio escolar, à saúde, passando pela alimentação e acesso à formação. O nosso objetivo é garantir que, em última análise, exista uma efetiva proteção infantil das crianças nesses bairros problemáticos”.

Outro dos eixos de intervenção da FCS é o auxílio alimentar a famílias extremamente pobres ou a pessoas incapacitadas. Este programa contempla o fornecimento mensal de cestas básicas sem as quais a sobrevivência desses grupos carenciados estaria fortemente comprometida. São ainda beneficiários desse apoio pessoas que, não sendo incapacitados, atravessam um período difícil na vida, como por exemplo o falecimento do chefe de família ou a perda de rendimentos do agregado familiar devido a uma situação inesperada de desemprego ou de doença grave. “Nestes casos, apoiamos com cestas básicas pontuais que, conforme o diagnóstico, podem ser mantidas ou substituídas por outro tipo de apoios mais adequados à necessidade pontual da família. Ao mesmo tempo, trabalhamos com os elementos do agregado familiar no sentido de poder reverter a situação o mais célere possível”, salienta a presidente.

Estas três grandes áreas de intervenção da Fundação Cabo-verdiana de Solidariedade e cuja abrangência dos seus programas se estende a todo o território nacional, têm um custo de 120 mil contos anuais e representam a maior fatia do orçamento da instituição. Há, depois, outros programas que complementam estas grandes áreas e que, embora não tenham intervenção exclusiva da FCS, recebem o seu apoio. É o caso dos programas direcionados aos problemas que afetam a juventude, nomeadamente o consumo de álcool e de drogas. A este nível, a FCS em parceria com o Ministério da Justiça, Ministério da Juventude e algumas ONG’s, coopera em programas e projetos pontuais, no entanto, prevê alargar o âmbito de ação e está atualmente a preparar uma missão técnica ao Brasil para conhecer algumas experiências de trabalhos comunitários desenvolvidos em bairros mais vulneráveis e que têm mais fatores de risco associados ao consumo de drogas e ao álcool. Este projeto irá incidir essencialmente nas questões relacionadas com a prevenção e a reinserção social.

O grupo dos idosos é outra das preocupações da FCS. Através de parcerias com ONG’s e instituições que trabalham esta faixa etária, nomeadamente ao nível do acolhimento diurno, a FCS coopera no fornecimento de assistência médica e medicamentosa, nutricional e sempre que houver necessidade de um acompanhamento especializado na residência do idoso. Apesar de atualmente a Fundação não possuir lares de acolhimento próprios para este grupo etário, essa possibilidade está a ser equacionada. “Fruto da redução da população infantil, muitas das estruturas de apoio ao pré-escolar que a Fundação possui podem vir a ser reconvertidas para apoio à terceira idade”, refere Vanusa Cardoso.

Vanusa_Cardoso_03

Atualmente, a FCS encontra-se numa fase de restruturação e modernização interna. A ligação em rede de todos os serviços geridos pela organização é, a curto prazo, a grande aposta da instituição. “Somos um país arquipelágico e a insularidade encarece significativamente o funcionamento e a execução dos projetos, daí que a grande aposta interna da FCS seja ao nível das tecnologias de informação sem, contudo, esquecermos a capacitação dos nossos colaboradores”, adianta a presidente.

Mas nem só ao nível organizacional da instituição se preveem alterações, ao nível do perfil dos seus utentes também estão previstos novos beneficiários. A aguardar parecer jurídico, está já preparado um protocolo de cooperação com as Forças Armadas de Cabo Verde no qual, se prevê o arranque de ações de formação profissional a jovens e cidadãos que se pretendam requalificar. Vanusa Cardoso vê nesta cooperação a oportunidade de as duas instituições resolverem, de uma vez só, um problema que se arrastava há bastantes anos e afirma que “a Escola Militar das Forças Armadas possui a valência de Formação Profissional, com toda a direção e equipa pedagógica vocacionada para a formação. A FCS tem o espaço São Jorginho onde já funcionaram os antigos programas de Formação Profissional do então. A ideia é fazer o casamento entre as duas valências, aliando o conhecimento e preparação da Escola Militar às infraestruturas e equipamentos que possuímos. Com esta parceria, conseguimos que a Fundação retome os seus programas de Formação Profissional sem ter que suportar sozinha o custo de ter uma escola profissional a funcionar e, por outro lado, permite às Forças Armadas resolver o problema da falta de instalações para a Escola Militar.”

Esta cooperação irá estender-se também ao setor da saúde, com as Forças Armadas a disponibilizarem técnicos e médicos especializados capazes de reforçar a atuação da FCS junto das comunidades que carecem destes serviços básicos.

Vanusa_Cardoso_07

Continuar a resolver o problema do défice habitacional qualitativo e conciliar esse objetivo com a criação de postos de trabalho para os mais jovens, são dois dos desafios que a atual presidente da FCS pretende dar continuidade. “Queremos continuar a aproveitar o efetivo de jovens que saem da Formação Profissional para trabalhar a nível do projeto Operação Esperança. A este nível, já tivemos algumas experiências positivas, com resultados muito satisfatórios na ilha de Santiago e S. Vicente. A perspetiva para 2014 é alargar este conceito para outras ilhas do arquipélago. Aliar o problema da habitação com a resolução do problema do desemprego jovem, que é um problema que estamos a enfrentar neste momento em Cabo Verde será, sem dúvida, uma das prioridades a curto prazo da FCS.”

Atenta ao flagelo do problema do desemprego que afeta a sua geração, a jovem presidente é de opinião que, “a requalificação profissional e a adequação do ensino às reais necessidades do mercado é um imperativo em Cabo Verde. É com esta visão que a FCS pretende alargar o seu âmbito de ação e resgatar os programas de Formação Profissionais que outrora ministrava, pois só assim os cabo-verdianos poderão realizar em pleno a sua integração regional, a sua africanidade e contribuírem para o pleno desenvolvimento de Cabo Verde, capacitando-o económica e culturalmente como um país pleno de oportunidades para todos”.


Nós Genti

Comentários

  1. Ricardo Menezes Diz: Agosto 23, 2016 at 9:23 pm

    Olá Vanusa Cardoso
    Boa tarde

    Venho por esse meio dar-lhes os parabéns pela vossa revista que acabo de conhecer. Não pude deixar de escrever essas linhas pelo vosso empenho na cultura desse lindo país.

    Melhores cumprimentos
    Ricardo Menezes

Os comentários estão fechados.