Neuza do Santos – Cantar com a alma, sonhar com o coração
20 Fev 2013

Neuza do Santos – Cantar com a alma, sonhar com o coração

Neuza dos Santos

[su_spacer]
Neuza dos Santos, nasceu em Santiago, altura em que a mãe decidiu sair do Fogo por falta de condições. Desde pequena que gosta de cantar, mas só há um ano e meio é que conseguiu realizar o sonho de infância – cantar profissionalmente. Órfã de mãe aos seis anos, afirma ter a melodia no coração, recordando as músicas que a mãe cantava. “A música está-me no sangue e alegra-me o coração”, como ela própria gosta de afirmar. 

[su_spacer]

É típico os cabo-verdianos cantarem a saudade e a tristeza, mas no caso de Neuza dos Santos tudo isso é realmente sentido. “Como praticamente me criei sozinha, a música acaba por me dar o aconchego e a calma que tantas vezes precisei e não tive”, explica. Apesar de não ter formação em música, a cantora é portadora de uma voz melodiosa que não deixa ninguém indiferente. “Não sei música, mas se tocam a nota errada eu sinto que não está certa, porque a música vem-me do coração”, confessa. Na sua opinião, isso é suficiente, pois tal como afirma a cantora, “a música tem primeiro de me tocar na alma para que depois, eu consiga transmitir a mensagem ao meu público”.

O estilo com que Neuza mais se identifica está representado nas músicas do Fogo, como as mornas e a talaia baxo que é o estilo mais típico da música foguense. Apesar de muito talentosa, a cantora autodidata ainda não encontrou a coragem necessária para escrever os seus próprios temas, no entanto, acredita que, “se pegar numa caneta e num papel vou conseguir escrever em crioulo do Fogo”.

[su_spacer]

4- Neuza dos Santos - NG

[su_spacer]

Cantou a primeira vez em público no local de trabalho. Sempre que lavava a loiça ou arrumava os copos, cantava sozinha, mas despertava o interesse dos colegas. “Quando começaram a ter música ao vivo pediram-me para cantar. Aceitei o desafio, mas estava tão nervosa que em vez de estar preocupada com a música que ia cantar, só pensava se as pessoas iam gostar”, recorda entre risos, “mas todos acabaram  por adorar, só que isso não chegou para eu ter coragem de seguir em frente, pois a responsabilidade aumentou e eu fiquei com medo de falhar”, recorda.

Apesar do nervosismo, a cantora sempre se mostrava disponível para cantar e um dia teve a felicidade de ser ouvida por Manuel de Candinho, que gostou da sua voz e ofereceu-se para a ensinar. Além disso, alguém próximo da cantora, aconselhou-a a frequentar e a cantar em outros locais para a poderem conhecer e foi o que Neuza fez. “Como as pessoas gostaram de me ouvir, começaram a pedir-me para ir cantar nas semanas seguintes”, conta. Deu o seu primeiro concerto no Centro Cultural Português. “Sempre tinha cantado em restaurantes e bares, por isso, estava habituada a que as pessoas não me prestassem muita atenção, porque estão a comer e a beber, mas no CCP todos estavam focados em mim. Fiquei extremamente nervosa, mas quando colocaram uma luz forte sobre mim, já não via ninguém. Fechei os olhos, cantei e no fim ouvi os aplausos. Foi uma noite indescritível”, recorda.

[su_spacer]

14- Neuza dos Santos - NG

[su_spacer]

Numa das suas atuações, Neuza dos Santos teve a privilégio de ser ouvida pelo D´Jô da Silva, figura incontornável da música cabo-verdiana, que mostrou interesse em gravar o seu primeiro disco. Flor de Bila será o primeiro trabalho discográfico de Neuza dos Santos. Foi inteiramente gravado na ilha do Fogo com músicos locais. Tem 12 faixas e conta com mornas, talai baixo e coladeiras. “Como no Fogo não há nenhum estúdio, tivemos de improvisar. Insonorizámos um quarto com colchões e cobertores”, diz entre risos, “o que deu origem a muitas peripécias, como quando estávamos a tocar e a cantar como se fosse uma serenata e eu pensei que isso já era a gravação. Falhei uma nota e disse muito aflita para pararem tudo! Lá me disseram que ainda não estávamos a gravar, apenas a ensaiar. Rimo-nos imenso”, recorda Neuza. O lançamento de Flor de Bila será no Fogo e o disco sairá em abril.

Para todos os artistas que cantam e ainda não conseguiram alcançar a meta que pretendem, Neuza dos Santos aconselha a não desistirem. “Dizem que se acreditarmos muito em algo, isso normalmente se realiza. Eu acreditei… e consegui realizar o meu sonho!”


visioncast