Todos os artigos


A genuína cabo-verdianidade
18 Ago 2016

A genuína cabo-verdianidade

Da lista das ilhas a visitar, São Nicolau sempre ocupou lugar de destaque. A mística, a história e a especificidade cultural das suas gentes, aguçavam-me a curiosidade. Contudo, devido às dificuldades nos transportes — voos cancelados, horários trocados ou frequências suspensas — fui constantemente forçado a protelar a viagem. Ouvi dizer que “agora até nem está tão mal”, mas o certo é que, para chegar...

Ler Mais


Ildo Lobo – A voz de ouro de Cabo Verde
18 Ago 2016

Ildo Lobo – A voz de ouro de Cabo Verde

Um homem de palco, de coração grande e que, com a sua voz inimitável, homenageou a música tradicional de Cabo Verde. Nascido em Pedra Lume, na Ilha do Sal, Ildo Lobo viria a tornar-se, com apenas 19 anos de idade, vocalista do grupo Os Tubarões. Esta relação, que iria durar mais de vinte anos, viria a marcar-lhe a carreira. Foi uma simbiose raramente repetível que fez com que Os Tubarões se tornassem o grupo musical com maior longevidade em Cabo Verde. Neles, a música cabo-verdiana viria a conhecer novos caminhos. Em 1996, lançou o seu primeiro CD a solo, a que se seguiram outros dois, num verdadeiro tributo à essência e à pureza da música cabo-verdiana. Morreu, prematuramente, a 20 de outubro de 2004 deixando-nos uma carreira musical repleta de sucessos. Será, para sempre, recordado como a Voz de Ouro de Cabo Verde.


Kim Alves — Promover a música de Cabo Verde
18 Ago 2016

Kim Alves — Promover a música de Cabo Verde

Joaquim Fernandes de Pina Alves, “Kim” Alves, nasceu há cinquenta anos na Achada de Santo António, no coração da cidade da Praia, em Santiago. Filho do conceituado violinista Djonsinho Alves, cedo se interessou pela magia que a música lhe transmitia. Aos cinco anos de idade já acompanhava o pai com o chocalho, os shakers e o pandeiro. A transição dos instrumentos de ritmo aos de cordas foi rápida. Em menos de um ano, o jovem Kim estava a tocar cavaquinho. Depois foi a viola de doze cordas, o violão e, por fim o violino. O gosto pela música e a paciência do pai em ensiná-lo viriam um dia a dar frutos. Kim Alves é atualmente um dos mais prestigiados produtores musicais de Cabo Verde.


São Nicolau — O terreiro das bruxas
18 Ago 2016

São Nicolau — O terreiro das bruxas

Numa espécie de promontório sobranceiro ao mar no porto da Preguiça, e guardado por oito antigas e ferrugentas bocas-de-fogo languidamente esparramadas na poeira vermelha como se a banhos numa praia deserta, existe um padrão do tipo henriquino que diz que no ano de 1500, dia 22 de Março, passou ao largo da ilha de São Nicolau a armada de Pedro Álvares Cabral na rota da descoberta das terras de Vera Cruz.


São Nicolau — Desenvolvimento com história
18 Ago 2016

São Nicolau — Desenvolvimento com história

A ilha de São Nicolau localiza-se aproximadamente no centro do arquipélago de Cabo Verde. Ocupa uma área de 343 km² sendo considerada a quinta maior ilha do país. Em dias favoráveis, no cume do Monte Gordo, no coração de São Nicolau, pode avistar-se todo o arquipélago cabo-verdiano.


Valorizar a história, para projetar o futuro
18 Ago 2016

Valorizar a história, para projetar o futuro

Américo Nascimento nasceu há 57 anos em Queimadas, no município da Ribeira Brava, em São Nicolau. Até completar a sexta classe de escolaridade, Américo Nascimento nunca saiu de São Nicolau. Depois veio o tempo do liceu e com ele a sua ida para São Vicente. Terminou o ensino secundário em 1977 ao que se seguiram dois anos como professor. Pessoa ativa e interventiva, Américo Nascimento participou e liderou alguns movimentos cívicos, sociais e políticos. Criou e dirigiu um clube desportivo em São Nicolau e, ao nível político, participou ativamente em ações da JAAC - Juventude Africana Amílcar Cabral.


Voltar a apostar no ensino técnico e profissional
18 Ago 2016

Voltar a apostar no ensino técnico e profissional

António “Toy” Alves nasceu, fruto de um “coincidência”, em Lisboa, mas é em São Nicolau que tem as suas raízes e onde tem passado grande parte da vida. Filho de pai português e mãe cabo-verdiana, António Alves viveu toda a sua infância na vila da Ribeira Brava, junto com os pais. Concluídos os estudos do ensino primário, o pai — comerciante e pessoa querida em São Nicolau — enviou-o para São Vicente, para frequentar o liceu. Ali passou oito anos. Depois partiu para Portugal, para se formar em Agronomia, mas quis o destino que tal não acontecesse. O serviço militar obrigou-o a passar cinco anos na Guiné terminando assim o sonho de um dia poder ser técnico de equipamentos agrícolas. “Estudei na Escola de Regentes Agrícolas de Santarém — na altura uma das melhores escolas profissionais do mundo. Era lá que me sentia realizado. Ainda hoje guardo com saudade os valiosos ensinamentos que absorvi e que se serviram para toda a vida”, lembra António Alves.


Emília das Dores Santos — “Esta é a minha história”
16 Ago 2016

Emília das Dores Santos — “Esta é a minha história”

“Nitinha” sempre cresceu com apetência para o negócio. Desde muito cedo que o comércio faz parte da sua vida. Fez o seu primeiro negócio aos dez anos de idade e, desde essa altura, nunca mais parou. Dona de uma memória prodigiosa, Emília das Dores Santos “Nitinha” é uma mulher feliz e realizada. Com esforço, dedicação e muito trabalho, conseguiu realizar o sonho de construir o seu próprio negócio. Atualmente é proprietária da Bela Sombra, um complexo turístico no coração da cidade da Ribeira Brava. Esta é a história da sua vida, feita de trabalho, amor, honestidade e simpatia.



Page 1 of 2012345...1020...Last »