Personalidade


Ildo Lobo – A voz de ouro de Cabo Verde
18 Ago 2016

Ildo Lobo – A voz de ouro de Cabo Verde

Um homem de palco, de coração grande e que, com a sua voz inimitável, homenageou a música tradicional de Cabo Verde. Nascido em Pedra Lume, na Ilha do Sal, Ildo Lobo viria a tornar-se, com apenas 19 anos de idade, vocalista do grupo Os Tubarões. Esta relação, que iria durar mais de vinte anos, viria a marcar-lhe a carreira. Foi uma simbiose raramente repetível que fez com que Os Tubarões se tornassem o grupo musical com maior longevidade em Cabo Verde. Neles, a música cabo-verdiana viria a conhecer novos caminhos. Em 1996, lançou o seu primeiro CD a solo, a que se seguiram outros dois, num verdadeiro tributo à essência e à pureza da música cabo-verdiana. Morreu, prematuramente, a 20 de outubro de 2004 deixando-nos uma carreira musical repleta de sucessos. Será, para sempre, recordado como a Voz de Ouro de Cabo Verde.


Natalina Fonseca — Professora por vocação, católica por convicção
16 Ago 2016

Natalina Fonseca — Professora por vocação, católica por convicção

Natalina Maximiano Fonseca é natural da Ribeira Brava, em São Nicolau. Durante 37 anos foi professora na vila. O gosto que sempre teve pelo ensino, fez com que muitas das centenas de crianças que passaram na sua sala de aula sejam hoje pessoas mais instruídas, humanas e interventivas. Com o marido emigrado na Holanda, repartiu-se entre o ensino e a educação dos seus cinco filhos. Atualmente, já aposentada, vive com o marido uma vida dedicada ao apoio social e à vida religiosa.


SUCLA — Há setenta anos a criar riqueza em São Nicolau
16 Ago 2016

SUCLA — Há setenta anos a criar riqueza em São Nicolau

É um dos grandes impulsionadores do desenvolvimento do Município do Tarrafal. A fábrica de conservas que geriu durante décadas é uma referência da indústria nacional e fonte de criação de riqueza para toda a ilha de São Nicolau. Quando olha para o percurso percorrido, Jack Pinheiro sente-se satisfeito com os resultados do esforço e dedicação que sempre colocou no desenvolvimento da SUCLA - Sociedade Ultramarina de Conservas, Lda. Apesar das dificuldades da economia atual, da concorrência desleal vinda do exterior e da escassez de peixe que atualmente se regista nos mares de Cabo Verde, o proprietário das conservas Cadório sente-se orgulhoso e realizado ao passar o testemunho às gerações mais jovens.


António da Cruz – O “tocador” de São Nicolau
16 Ago 2016

António da Cruz – O “tocador” de São Nicolau

António nasceu no dia de Santa Cruz, na zona do Palhal, no Tarrafal de São Nicolau. Por esse facto, seria batizado António da Cruz. Ainda muito jovem, acompanhou a madrasta até São Vicente. Foi na pequena aldeia piscatória do Calhau, na costa leste daquela ilha, que António da Cruz iria passar toda a sua juventude. Foi também por lá que viria a descobrir a sua imensa paixão pela música. O seu pai era tocador. Os quatro tios também. António tinha a música a correr-lhe pelas veias. Sempre que podia, o jovem Da Cruz fugia para junto dos tios. A música enfeitiçava-o.


Corsino Fortes — “O segredo do sucesso dos cabo-verdianos é a ideia universalista que têm do mundo”
12 Ago 2016

Corsino Fortes — “O segredo do sucesso dos cabo-verdianos é a ideia universalista que têm do mundo”

Corsino António Fortes nasceu a 14 de fevereiro de 1933 na cidade do Mindelo, São Vicente. Em 1966 licenciou-se em direito pela Universidade de Lisboa. Exerceu até 1975 o cargo de delegado do Ministério Público e juiz de direito em Angola. Entre 1975 e 1981, Corsino Fortes foi embaixador de Cabo Verde em Portugal, estendendo a sua missão junto dos Governos de Espanha, França, Itália,...

Ler Mais


Semear para mais tarde se colher
11 Ago 2016

Semear para mais tarde se colher

José Domingos Lopes nasceu na Ilha Brava em 1939. Até completar os dezoito anos, o jovem José teve de se contentar com o pouco que a Brava lhe proporcionava. A ambição e vontade de vencer na vida já lhe corriam no sangue. A família tinha tradição de emigração, e José Domingos ansiava a oportunidade de fazer o mesmo. Depois foi conhecer outros destinos. Tal como a maioria dos bravenses, escolheu os Estados Unidos da América. Aí tornou-se marinheiro mercante. Nas suas viagens, correu o mundo. O sonho de construir o seu próprio veleiro perseguiu-o durante anos. Reuniu forças e motivação e, durante 24 longos anos, deu corpo, com as suas próprias mãos, ao sonho da sua vida. Ele próprio trouxe o "Senhora do Monte", um veleiro com 76 pés de comprimento, desde New Bedford até à Brava, numa viagem de cinco semanas com escala nos Açores e nas Ilhas Canárias. Forte opositor do regime colonial, cooperou ainda na Luta de Libertação Nacional. Abraçou a política ativa tornando-se Deputado Nacional pela Ilha da Brava. Atualmente vive na casa que foi dos seus avós, no coração da Brava. Sente-se hoje em dia um homem feliz e realizado.


Isildo Armando da Silva — Unir os bravenses em torno do desenvolvimento
09 Ago 2016

Isildo Armando da Silva — Unir os bravenses em torno do desenvolvimento

Isildo Armando da Silva nasceu na Ilha do Fogo em 1947. Aos onze anos de idade abandonou a sua ilha natal e foi estudar para Santiago, onde viveu até completar os seus estudos médios. Depois, partiu para Portugal onde se licenciou em Engenharia Agrónoma e Ciências Agrárias. Regressou a Cabo Verde e, a par com as ciências agrárias, desenvolveu uma fervorosa militância clandestina no PAIGC. A luta pela independência de Cabo Verde levá-lo-ia, em 1972, a ter de fugir do país sob pena de vir a ser preso por acusação de subversão ao regime. Após a Independência Nacional, Isildo Silva regressa a Cabo Verde, contudo, contrariamente ao que previa, em vez de continuar a sua carreira como engenheiro agrónomo, foi destacado para os quadros da Polícia Nacional. Posteriormente, como Delegado do Governo, integrou uma comissão de serviço na Ilha Brava, experiência que o viria a marcar para toda a vida.


Arménio Vieira — Ensaio sobre um hipotético romance autobiográfico
29 Jul 2016

Arménio Vieira — Ensaio sobre um hipotético romance autobiográfico

Arménio Vieira é uma das vozes mais expressivas e imaginativas de Cabo Verde. O seu talento literário firmou-se na poesia, no entanto, foi na prosa que ficou mundialmente famoso quando, em 2009, foi distinguido com o Prémio Camões, um dos mais altos galardões da literatura portuguesa. Esta entrevista, contada na primeira pessoa, relata apenas uma fração do percurso de vida deste ilustre cabo-verdiano. Os estudos na Cidade da Praia e em São Vicente, o serviço militar em Portugal, as noites de Angola e as paixões incontroladas, são-nos descritos em tom irónico e efusivamente satírico. Os preâmbulos e bastidores do Prémio Camões e as deambulações sobre os grandes acontecimentos globais contemporâneos são, na voz do escritor, narrados com mestria e sedução. O seu discurso metafórico e universalista recorre frequentemente à história universal na transmissão dos seus pensamentos, o que lhe confere uma autenticidade irrevogável e castradora de argumentos e teses alheias.


Lígia Dias Fonseca — Dedicação e trabalho em prol do bem-estar social
28 Jul 2016

Lígia Dias Fonseca — Dedicação e trabalho em prol do bem-estar social

Lígia Dias Fonseca nasceu em Moçambique, na cidade da Beira, em 1963. O seu pai, político e conceituado advogado moçambicano, cedo lhe incutiu os valores pelos quais se havia de reger ao longo da vida e com os quais adotou como uma forte consciência política do papel que os cidadãos desempenham na sociedade. Em 1976, devido às conturbadas condições políticas, a família abandona Moçambique e instala-se...

Ler Mais


Zéca di Nha Reinalda  – O “Rei do Funaná”
23 Mai 2014

Zéca di Nha Reinalda – O “Rei do Funaná”

[su_spacer] A história de vida de Emanuel Dias Fernandes, ou Zéca di Nha Reinalda, mistura-se com a história do funaná de Santiago. Quer o ouçamos cantar nos bailes de conjunto ou nas dezenas de discos que gravou, o “Rei do Funaná” continuará a servir de inspiração a toda uma geração que, através do funaná, encontrou uma forma de se emancipar e exprimir. Aos 56 anos...

Ler Mais



Page 1 of 612345...Last »